quarta-feira, junho 29, 2005

O Judeu - Jorge Sampaio



Excertos da entrevista ao "Jerusalem Post" do Judeu Sampaio

Mr. President, anti-Semitism is on the rise across Europe. Why does much of the continent seem unable to cure itself of this prejudice?

I have constantly denounced all forms of discrimination and xenophobia, be it of religious, ethnic, cultural, sexual, or any other nature. I obviously condemn any form of anti-Semitism…. The resurgence of anti-Semitism in Europe is a fact – although it is not a pattern – and must also be seen in the framework of the resurgence of other forms of xenophobia and racial hatred. These manifestations do exist and we must fight all of them with the same energy, attacking their causes, and prosecuting those that sow hatred and violence.

The Portuguese Embassy in Israel sits in Tel Aviv, even though Jerusalem is Israel’s capital. Why won’t Portugal recognize Israel’s sovereign right to determine its own capital?

I know how important and sensitive this issue is for Israelis and most Jews. You know the historical context of this situation. We are bound in this matter by the collective decisions of the European Union. But I also want to tell you that my sincere wish would be for our embassy to move to Jerusalem as soon as possible, for that would mean that peace would finally be at hand.

Portugal was once home to a thriving Jewish community, which was cruelly persecuted and forced to convert in 1497. Has Portugal come to terms with what was done to the Jewish people on its soil?

We have come to terms with our own history, with its more brilliant and with its more shady aspects. The difference now is that all periods of our history are being studied and that we have today a much better knowledge of them. The ceremonies which took place on the 500th anniversary of the Decree of Expulsion, over which I presided with the then- speaker of the Knesset are proof of all this.

I understand that you have Jewish ancestry in your family. What is your personal connection to the Jewish people? Do you consider yourself to be a Jew?

My grandmother belonged to a Jewish family that came from Morocco in the beginning of the 19th century. She married a non-Jewish naval officer who later was Foreign Affairs minister. I am naturally very proud of this ancestry and of all those that I call my “favorite Jewish cousins,” one of whom is the president of the Lisbon Jewish Community, as I am proud of the ancestry on my non-Jewish father’s side. Personally, I am agnostic, and I do not consider myself a Jew; but I am proud, as I said, of my ancestors.




Excertos do comentário do jornal "O Dia" por Silva Resende

"O jornal Tribune Juive, que se publica em França e é porta-voz das comunidades judaicas fora de Israel e principalmente as ligadas às lojas maçónicas, embandeira em arco com a eleição de Jorge Sampaio para a presidência da República em Portugal. E dá à notícia foros de sensacionalismo: «Jorge Bensaúde de Castillo Branco Sampaio é o Primeiro Presidente português judeu desde a Inquisição» .
Penso que os Portugueses, em geral, desconheciam no actual presidente essa espécie de dupla nacionalidade que os judeus hoje reclamam desde que se instaurou o Estado de Israel: como em geral desconheciam a totalidade dos seus apelidos que reflectem essa ascendência hebraica, aliás de velhas tradições em Portugal.
Conhecendo se a solidariedade que desde sempre reinou entre os judeus fazendo deles o único povo que ao longo dos milénios resistiu a qualquer miscigenação, ficará decifrado o mistério dessa candidatura, os seus estranhas tempos de intervenção, a surpresa de certos apoios e a certeza de vitória que desde o primeiro momento animava os seus oráculos.
Nestas e noutras questões, os judeus não costumam perder.
Evidentemente, a Inquisição é aqui metida como o Pilatos no Credo, pois que a República se fundou em Portugal em 1910; mas como a Tribune Juive nada publica em vão, quer significar que à cabeça do Estado em Portugal é a primeira vez que desde a Inquisição figura um homem de ascendência judaica a qual — sublinha o jornal — prenuncia uma lua de mel diplomática entre Portugal e Israel. E acrescenta: «estas relações eram já excelentes sob os sucessivos mandatos do irmão Mário Soares».
E continua o mesmo jornal: «Sampaio visitou já duas vezes Tel Aviv. E a sua primeira permanência em Israel constituiu para ele verdadeira jornada iniciática pois que, a exemplo da maioria dos judeus portugueses, não tinha recebido nenhuma educação judaica».Não falta aqui o próprio testemunho de Sampaio dirigido a Benyamin Oran, representante diplomático em Lisboa: «quando visitei Israel senti alguma coisa de muito forte a vibrar dentro de mim e posso dizer que descobri então dentro de mim a minha condição de judeu». Para completar a descoberta, a notícia, que certamente a maioria dos portugueses desconhecem, refere que Sampaio milita desde a juventude na extrema esquerda e que foi nessa qualidade que o elegeram para a Comissão dos Direitos do Homem do Conselho da Europa.
E aqui está como estes dados, postos festivamente na Tribune Juive, foram estranhamente sonegados na imprensa portuguesa."

Silva Resende

In O Dia, 26.06.1996



ver video:
http://www.forum-nacional.net/~malvado/%d3dio_-_The_horrible_jew.WMV

quarta-feira, junho 22, 2005

Conseguem engolir este sapo?



Conseguem?

Ao longo destes ultimos 4/5 anos, principalmente e apartir do ano de 2000, um grupo de nacionalistas, apelidados de "bandidos", "radicais", "extremistas", "desuniadores", tomou à força as rédeas do movimento skinhead em Portugal, e porquê à força? Porque os "passivos", "cobardes" e "traidores" que comandavam esse movimento não se queriam afastar para dar lugar aos activistas, aos novos soldados políticos que se queriam impor aos soldados de rua.
Essa luta foi ganha em menos de um ano, as pessoas que lideravam o movimento nacionalista passaram a dedicar-se a 100% à famila, sendo que antes somente se dedicavam a 99%(coitados), porque o outro 1% era para se envolverem no movimento, e apartir desse momento o movimento skinhead revoluciona-se.

Aqueles que toda a vida ouviam as musicas de bandas white power, ou liam livros revolucionários, e vinham para as reunioes nacionalistas dizer que "lá fora é que é",tiveram então a sua grande oportunidade de passarem das ideias aos actos, e transporem para o dia a dia o que ouviam ou liam em casa.

A violência:
As acções de violência contra os nossos inimigos nas ruas intensificaram-se drásticamente, pela primeira vez começam a surgir pelo pais grupos mais ou menos organizados para atacar inimigos, casas de antifas, e os seus albergues etc.
Chegam às mãos dos skinheads pela primeira vez contactos, e portas abertas no sub mundo da "noite" que lhes dão acesso a armas até então nunca dispostas nas mãos dos nacionalistas.Passa-se do rearmamento moral para o fisico.
Os ataques de todas as formas e feitios levam os nossos inimigos quer internos quer externos ao desespero, começam as queixas a cair no Ministério Publico, prova máxima que já não sabiam como lidar com esta ameaça.
Sobre tudo o que se fez no campo da acção directa, infelizmente não o posso revelar, mas os nossos inimigos sabem-no bem.

O movimento musical:
Este é um movimento que existe, e que é benefico desde que não existam pessoas que se sirvam da musica para fazerem dinheiro para proveito próprio, em vez de o entregarem ao movimento, ou pessoas que em vez da musica lhes servir para inspirar, lhes sirva para amolecer.
O movimento musical e tudo o que lhe está subjacente, as bandas, os concertos, as editoras, são algo de extrema importância para influenciar os nossos jovens, uma musica por vezes quando nos toca no coração ou na alma fica no nosso subconsciente uma vida, o nosso inimigo enche e lobotomiza os jovens com MTV, Rap, Hip Hop e afins, nós temos que ter uma alternativa.
Esse grupo mencionado anteriormente fez uma banda(a unica assumidamente nacionalista em Portugal), realizou 3 concertos(com bandas internacionais), participou em dezenas de outros alem-fronteiras, está a produzir um cd, participou em 3 colectaneas, e fundou uma editora musical.
Estamos a ser acusados de crimes contra a humanidade por organizar um concerto em 2004 e mesmo assim decidiu-se organizar um em 2005, noutros tempos os organizadores tremiam sob as ameaças judiciais e já se tinham dedicado á pesca, tudo mudou..somos revolucionários e estamos dispostos a abdicar da nossa liberdade fisica mas não abdicamos da liberdade ideologica!

Politica:
Na politica, o campo que os nossos inimigos internos, apregoavam que nada faziamos, porque o nosso grupo só se dedicava a concertos, almoços de convivio e bater nas pessoas, no fundo eramos os "gansters", neste campo tiveram que engolir o maior sapo de todos.
Fundamos uma organização politica que em 8 meses conseguiu fazer mais pelo nacionalismo que qualquer outro movimento até então.
Internamente fomos responsaveis pelo afastamento de um politico que todos diziam ser o maior cancro de um partido nacionalista, tumor este que outros falavam em afastar mas ninguem e repito Ninguem o consegiu fazer.
Tivemos uma exposição mediatica inédita.
Fizemos segurança a um candidato politico nacionalista que ia falar em directo num local e que a direção do partido temia represálias.
Fizemos uma propaganda nacional nas ruas com faixas em viadutos, autocolantes, distribuição de panfletos, a maior deslocação em campanha eleitoral, como mais ninguem conseguiu fazer, e poucos conseguiram igualar(resalva a um nucleo no Porto).
Estivemos presentes nas comemorações oficiais do 1dezembro, e pegámos nas nossas faixas desfilando na rua e ensaiando o que viria a ser as futuras marchas.
Organizámos a Manif-Marcha contra a entrada da Turquia na Europa, foi a primeira vez que se fez algo do genero em Portugal, até então o movimento nacionalista tinha um receio de sair à rua que mais pareciam activistas do parque eduardo sétimo.
Sucedeu-se a ida a Coruche, provando que estamos onde os politicos deviam estar, ou seja ao lado das pessoas, pela primeira vez os nacionalistas e skinheads, são noticia em jornais e tvs, por estarem a apoiar a população e não pelos piores motivos, ganha-se aqui muitos pontos nas comunidades locais, enquanto tudo isto se passava os nossos politicos sempre criticos em relação a este grupo que pertenco, ou mantinham atraves dos seus blogs de internet ou outros o maior silêncio.
E em 18Junho, realizámos o ponto de viragem do nacionalismo em Portugal, 1000 pessoas ouviram a nossa chamada e participaram na maior concentração, manifestação nacionalista desde pelo menos os ultimos 30 anos! De facto memorável, os tais que lhes custa engolir este sapo, cobardes como sempre, esperaram até à ultima hora para tomarem a decisão de estarem presentes ou não.
No fundo não queriam estar a participar em algo que não fosse organizado por eles, não queriam estar a ser mais um numa multidão e dar mais força aos "bandidos,radicais,extremistas" mas com a campanha jornalistica a intensificar-se, e todo este mediatismo, eles não pudiam deixar de estar presentes, para mais tarde tambem eles tirarem e colherem os meritos da organização.
É triste que eu tenha que referir as coisas negativas, numa semana em que todos só vêm coisas boas, mas eu não esqueço, nem tao-pouco costumo ser comido por otário, nas mãos de oportunistas tipo abutres que por não terem coragem para caçar, esperam que alguem mate por eles para depois colherem os restos.
Todos os presentes na manif estão de parabéns, mesmo aqueles que ainda são muitos que abandonaram o movimento nacionalista pelas mais diversas razões, pode ser que agora esta marcha lhes tenha feito acordar do sono profundo onde têm estado nos ultimos anos.
Não existem desculpas para pessoas que foram activas no movimento nacionalista não o voltarem a ser porque, o movimento está saudavel e respira saude, O partido politico vai ser renovado literalmente, o movimento skinhead já o foi, e estão reunidas as condições para essas pessoas voltarem a colaborar com o nacionalismo em Portugal, senão o fizerem estejam descansados que o grupo do costume não vai ceder perante nada, e poderão sempre se sentir realizados em ir ás nossas manifs, concertos, ou votar de 4 em 4 anos em vez de serem parte activa em algo..É uma questão de feitio..

A internet:
Mais uma vez o sucesso, a realização de um forum que em menos de ano e meio conta com 4 mil pessoas registadas, e milhares de artigos escritos.Entre blogs e outros sites, tambem aqui o nosso grupo está de parabêns.

Os skinheads:
Ao longo do tempo sempre ouvi dizer que os skinheads eram prejudiciais a isto e aquilo dentro do movimento nacionalista, pois uma coisa nunca mais se vão poder esquecer, aconteca o que acontecer no futuro, foram os skinheads que fizeram com que os nacionalistas pudessem andar em manifs sem temer antifas e gangs de negros, pelo temor que estes têm ao grupo, foram os skinheads que organizaram as manifs, foram os skinheads que correram com cancros e tumores no partido nacionalista, foram os skinheads que revolucionaram o movimento na internet, que deram a cara nos tribunais por organizarem concertos, que deram a cara nas tvs e jornais nas manifs etc etc..ou seja,-skins- nunca deixem que estes comedores de sapos, vos apontem seja o que for porque nós estivemos lá na linha da frente em tudo, enquanto esses pseudo intelectuais se mantiveram a discutir o sexo dos anjos em tertulias nas caves, escondidos do mundo.
Sabemos trabalhar lado a lado com todos,exemplo disso é o nosso grupo de que fazem parte não-skins com imenso valor, infelizmente os preconceitos vêm sempre do outro lado e contra nós.
GLÓRIA AOS SKINHEADS E AOS NAZIS!

Esta é a minha pequena homenagem a todos os que não capitularam, e que contra tudo e contra todos souberam dizer sempre-Seguimos vivos!!!

PS:quando digo o nosso grupo, este é um conceito alargado de grupos mais pequenos, e outros maiores com organicas diferentes mas em que as pessoas todas trabalham em conjunto.

domingo, junho 19, 2005

1000 nacionalistas juntos contra a imigração e crime!

"NÃO EXISTEM DIREITOS IGUAIS QUANDO ÉS 1ALVO POR SERES BRANCO!"



1000(mil) nacionalistas manifestaram-se ontem ordeiramente(ao contrário do tão extrapolado durante toda a semana pelos mass-merdia), contra o aumento da violência e criminalidade associadas às minorias étnicas.



A manifestação começou pelas 14 horas no Martim Moniz e acabou pelas 16H no Rossio.

Estiveram presentes skinheads, nacional-socialistas, nacionalistas, identitários, militantes do PNR, crianças, adolescentes, jovens e idosos, antigos combatentes do ultramar, vitimas de assaltos, antigos-emigrantes da África do sul, seguranças da noite Lisboeta, policias, comerciantes da baixa, minhotos, tripeiros, algarvios...etc etc etc.



Ás respostas das provocações de cerca de 20(opositores á marcha anti-crime, ou seja pró-criminosos), os nacionalistas responderam com um grande -IGNORE!



O unico incidente ocorreu na rua do Ouro quando um negro tinha acabado de assaltar uma loja e manifestantes se dirigiam para a apanhar o barco no Terreiro do Paço, e ao depararem com esse crime resolveram agir de imediato.Acho que não deve ser condenavel esta atitude mas antes de louvar.



O Presidente Judeu e a sua mulher marroquina estiveram pela 3x ao lado dos macacos na Cova da Moura, os nacionalistas estiveram na Baixa ao lado dos comerciantes.

Foi historico para o movimento nacionalista, e sem duvida a maior e melhor actividade alguma vez realizada após 25 Abril.



Quero agradecer em meu nome, e da Frente Nacional a todos os que tornaram isto possivel, e todo o apoio que recebemos, antes, durante e após a manifestação.



video euronews: http://www.euronews.net/popup.php?lng=6&page=detail_info&lien=stream1.euronews.net:8080/ramgen/new/cut/portugal_42101_6.rm?usehostname

VIVA PORTUGAL!!

sábado, junho 11, 2005

Manifestação -Basta de imigrantes e crime

"CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA
Artigo 45.º
(Direito de reunião e de manifestação)
1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização"

É isto mesmo que vai acontecer, nós vamos pedir autorização para a manifestação, caso ela seja aceite, podemos cortar a estrada do local de partida pré estipulado, até o de origem, tendo sido o que se sucedeu, na manif contra a entrada da Turquia na União Europeia.

No entanto temos todos os motivos para acreditar que este pedido não vai ser aceite pelo Governo Civil, um dos indicios óbvios é o facto do Presidente Judeu Sampaio ir no mesmo dia visitar a Cova da Moura, e sendo isto uma manifestação com o celeuma e um tabu muito maior do que a questão turca, e afectando directamente muito mais os portugueses, temos reservas quanto à autorização da mesma.

Mesmo assim, vamos amanha fazer o pedido.

Se nos recusarem o pedido, continua tudo como préviamente agendado, ou seja fazemos a manifestação, mas em vez de cortar-mos a estrada, vamos pelas bermas e pelos passeios, e assim legalmente já não podem colocar entraves.
Seguimos o exemplo dos gays que quando viram a sua manifestação gay recusada pelo Santana Lopes, apenas mudaram o nome para acção de protesto e fizeram-a à mesma. Não nos achamos com menos direitos que os Gays.

Relembro aos nacionalistas que isto é uma manifestação pacifica, que ao invés dos negros e ciganos, nós consideramo-nos civilizados e vamos dar o exemplo disso mesmo, por isso atitutes provocatórias, armas, ou simbolos proibidos vão ter que ficar em casa, porque a responsabilidade vai à posteriori recair sempre sobre os mesmos.

O local de inicio da Manif. será no largo do Martim Moniz, pelas 14 horas de sábado, e vai acabar no largo do Rossio.

O porquê da escolha destes locais?
Porque são os locais onde as máfias africanas e asiáticas vendem passaportes, BI, cartas de condução, droga, material pirateado etc e a nossa policia actua somente de ano a ano nesses locais para fechar os olhos ao povo português. Nós temos os olhos bem abertos, e estamos fartos da criminalidade, do protecionismo politico aos criminosos não-brancos, e da inação das autoridades policiais.
Pelo menos dia 18 no Martim Moniz e no Rossio não se vão cometer crimes.


A Frente Nacional apela a todas as forças nacionalistas, e a todos os patriotas em particular, para que se juntem a nós na próxima manifestação(pacifica) que irá ter lugar em Lisboa no próximo sábado 18 Junho.

O motivo do protesto, a criminalidade grupal que aumentou 470% nos últimos 7 anos, as marés negras de crude que assolam as nossas praias de Quarteia a Carcavelos, os Apátridas que massacram as populações de Coruche, a Vila Verde, e a Imigração Colonização que estamos a ser vitimas..

video promocional:
www.manif18dejunho.pt.vu

Créditos Legiao1143 user do www.Forum-nacional.net



Mais info em www.frente-nacional.org

terça-feira, junho 07, 2005

Ser português - Ironia de Toni8



via www.forum-nacional.net
Ser português, por Toni8:

"Mas pronto, para mim ser português é ser etnicamente e culturalmente português, é falar a nossa língua, é comer bacalhau com todos ao Domingo, é conduzir à direita, e no fim negar a existência de raças. É ser do Benfica e afirmar que o Eusébio é português, é ter um B.I. enorme e que se dobra todo, é poder votar em referendos que não servem para nada, é ter um presidente marroquino de ascendência judaica, é ver a malta a mandar papéis para o chão "para dar trabalho aos almeidas", é ouvir os "nacionalistas" de pacotilha a elogiar negros e a admirar mulatas, é ter um Martunis indonésio que se torna "símbolo nacional" em poucos meses apenas porque se afogou num Tsunami com a camisola do Deco, é ser roubado pelos políticos e continuar a acreditar neles, é ir ao shopping no fim-de-semana com o fato de treino Nike da feira do relógio, é ouvir um sociólogo qualquer dizer na televisão que o cozido à portuguesa é um prato tradicional judaico-muçulmano e acreditar, é ler a Margarida Rebelo Pinto e dizer aos amigos que "farto-me da ler", é ter pena do Mantorras por não ter ido ao consulado português comprar um passaporte nacional, é apitar no sinal de trânsito mal muda para verde mas desatinar com o taxista que faz o mesmo, é queixar-se da invasão económica espanhola mas não dar importância ao facto de haver mais pretos cá do que produtos espanhóis, é ver na TV que em Auschwitz morreram 6 milhões de judeus mais os 6 milhões de ciganos e 6 milhões de jeovás e acreditar deixando cair uma lágrima, é estar atolado de neve na Serra da Estrela e culpar o Estado de não dar correntes para as rodas, é não acreditar que o Paulo Portas e o Herman José são rotos e jurar que o Carlos Cruz é inocente "porque apresenta bem", é pagar 100 contos de renda para comprar casa e não ligar ao facto dos pretos receberem casas de borla há 30 anos, é pagar 5 contos por um bilhete de futebol mas recusar sempre dar uma ajuda às associações de protecção animal, é acreditar que ser homossexual não é uma doença e que "é uma opção sexual", é acreditar que o PREC trouxe a liberdade e não acreditar que os militares fizeram o golpe por dinheiro e cobardia, é gastar milhões em estádios e ver famílias a passar fome, é ver os portugueses a serem assassinados na África do Sul e não ligar nenhuma mas meter lenços brancos na janela pelos timorenses, é ser constantemente roubado por gangues de pretos e insistir que não é racismo, é ir ao hospital e estar 6 horas à espera para lhe receitarem um placebo, é o culpado ser o carro que tem o arranjo mais caro quando há acidentes, é ver a pesca e a agricultura a acabar e as fábricas a fecharem e ainda achar que a UE tem sido porreira em mandar milhões para os Torres Coutos, é ver a bófia a multar traiçoeiramente nas auto-estradas apesar de ser lá que há menos acidentes e mesmo assim achar que é para reduzir a sinistralidade, é achar que o carnaval do Rio é o tradicional, é achar que os sindicatos defendem os trabalhadores portugueses apesar destes concordarem com a vinda de mais imigrantes, é receber menos que os outros cidadãos europeus e pagar o mesmo por serviços piores e mesmo assim achar que é apenas por causa da crise passageira ou do défice, é acreditar que os juízes têm 3 meses de férias porque trabalham durante esse período, é achar que os cabo-verdianos têm mais a ver connosco do que os espanhóis ou italianos, é ver suspeitos de pedofilia serem recebidos com palmas no Parlamento e continuar a tolerar a classe política, é achar mesmo que os imigrantes são necessários, é ir à bruxa e alterar a sua vida consoante o que esta lhe diz, é colocar a hipótese do CDS ser de extrema-direita "porque o Mário Soares disse", é ter pena dos bófias que fogem dos pretos mas que espancam brancos, é acreditar que se o Le Pen ganhar em França os portugueses "vão sofrer imenso", é acreditar nos estudos científicos que aparecem para justificar tudo e mais alguma coisa, é dizer "não sou racista" mas recusar ir viver para um bairro de pretos, é ter uma TV que quando fala no III Reich só apresenta documentários sobre guerra ou judeus, é ter simpatia pelo "humanismo do guterres" só porque ele tem ar de sonso, é acreditar que os judeus foram perseguidos ao longo de toda a História por capricho ou "apenas por serem diferentes", é acreditar que houve fascismo em Portugal, é ver o vizinho ser assaltado e fingir não ver ou dizer "não é nada comigo", é meter mensagens exaltadas nos comentários do Correio da Manhã a dizer que os nacionalistas são perigosos mas não fazer a mínima ideia do que é a ETA ou as FP25, etc, etc, etc...."