quarta-feira, junho 29, 2005

O Judeu - Jorge Sampaio



Excertos da entrevista ao "Jerusalem Post" do Judeu Sampaio

Mr. President, anti-Semitism is on the rise across Europe. Why does much of the continent seem unable to cure itself of this prejudice?

I have constantly denounced all forms of discrimination and xenophobia, be it of religious, ethnic, cultural, sexual, or any other nature. I obviously condemn any form of anti-Semitism…. The resurgence of anti-Semitism in Europe is a fact – although it is not a pattern – and must also be seen in the framework of the resurgence of other forms of xenophobia and racial hatred. These manifestations do exist and we must fight all of them with the same energy, attacking their causes, and prosecuting those that sow hatred and violence.

The Portuguese Embassy in Israel sits in Tel Aviv, even though Jerusalem is Israel’s capital. Why won’t Portugal recognize Israel’s sovereign right to determine its own capital?

I know how important and sensitive this issue is for Israelis and most Jews. You know the historical context of this situation. We are bound in this matter by the collective decisions of the European Union. But I also want to tell you that my sincere wish would be for our embassy to move to Jerusalem as soon as possible, for that would mean that peace would finally be at hand.

Portugal was once home to a thriving Jewish community, which was cruelly persecuted and forced to convert in 1497. Has Portugal come to terms with what was done to the Jewish people on its soil?

We have come to terms with our own history, with its more brilliant and with its more shady aspects. The difference now is that all periods of our history are being studied and that we have today a much better knowledge of them. The ceremonies which took place on the 500th anniversary of the Decree of Expulsion, over which I presided with the then- speaker of the Knesset are proof of all this.

I understand that you have Jewish ancestry in your family. What is your personal connection to the Jewish people? Do you consider yourself to be a Jew?

My grandmother belonged to a Jewish family that came from Morocco in the beginning of the 19th century. She married a non-Jewish naval officer who later was Foreign Affairs minister. I am naturally very proud of this ancestry and of all those that I call my “favorite Jewish cousins,” one of whom is the president of the Lisbon Jewish Community, as I am proud of the ancestry on my non-Jewish father’s side. Personally, I am agnostic, and I do not consider myself a Jew; but I am proud, as I said, of my ancestors.




Excertos do comentário do jornal "O Dia" por Silva Resende

"O jornal Tribune Juive, que se publica em França e é porta-voz das comunidades judaicas fora de Israel e principalmente as ligadas às lojas maçónicas, embandeira em arco com a eleição de Jorge Sampaio para a presidência da República em Portugal. E dá à notícia foros de sensacionalismo: «Jorge Bensaúde de Castillo Branco Sampaio é o Primeiro Presidente português judeu desde a Inquisição» .
Penso que os Portugueses, em geral, desconheciam no actual presidente essa espécie de dupla nacionalidade que os judeus hoje reclamam desde que se instaurou o Estado de Israel: como em geral desconheciam a totalidade dos seus apelidos que reflectem essa ascendência hebraica, aliás de velhas tradições em Portugal.
Conhecendo se a solidariedade que desde sempre reinou entre os judeus fazendo deles o único povo que ao longo dos milénios resistiu a qualquer miscigenação, ficará decifrado o mistério dessa candidatura, os seus estranhas tempos de intervenção, a surpresa de certos apoios e a certeza de vitória que desde o primeiro momento animava os seus oráculos.
Nestas e noutras questões, os judeus não costumam perder.
Evidentemente, a Inquisição é aqui metida como o Pilatos no Credo, pois que a República se fundou em Portugal em 1910; mas como a Tribune Juive nada publica em vão, quer significar que à cabeça do Estado em Portugal é a primeira vez que desde a Inquisição figura um homem de ascendência judaica a qual — sublinha o jornal — prenuncia uma lua de mel diplomática entre Portugal e Israel. E acrescenta: «estas relações eram já excelentes sob os sucessivos mandatos do irmão Mário Soares».
E continua o mesmo jornal: «Sampaio visitou já duas vezes Tel Aviv. E a sua primeira permanência em Israel constituiu para ele verdadeira jornada iniciática pois que, a exemplo da maioria dos judeus portugueses, não tinha recebido nenhuma educação judaica».Não falta aqui o próprio testemunho de Sampaio dirigido a Benyamin Oran, representante diplomático em Lisboa: «quando visitei Israel senti alguma coisa de muito forte a vibrar dentro de mim e posso dizer que descobri então dentro de mim a minha condição de judeu». Para completar a descoberta, a notícia, que certamente a maioria dos portugueses desconhecem, refere que Sampaio milita desde a juventude na extrema esquerda e que foi nessa qualidade que o elegeram para a Comissão dos Direitos do Homem do Conselho da Europa.
E aqui está como estes dados, postos festivamente na Tribune Juive, foram estranhamente sonegados na imprensa portuguesa."

Silva Resende

In O Dia, 26.06.1996



ver video:
http://www.forum-nacional.net/~malvado/%d3dio_-_The_horrible_jew.WMV