sábado, julho 30, 2005

Skinheads VS Imigrantes - video+mp3



É ASSIM QUE SE COMBATE OS IMIGRANTES...JÁ QUE OS POLITICOS NÃO TOMAM CONTA DELES, NÓS TOMAMOS!!!

video:
http://www.putfile.com/media.php?n=Romper-Stomper
creditos:ns_sintra, via forum nacional.

The Last Resort
Violence In Our Minds

I was walking down the road with a dozen pals of mine
Looking for some aggro, just to pass the time
We met this stupid hippy and he tried to run away
But i punched him in the nose just to pass the time of day

[Chorus]
Great big boots, great long laces
Our jeans held up with scarlet braces
Get out of our way or get took for a ride
We've just got violence in our minds
Wake up in the morning, have me ready brek
Drink me cup of Bovril and wring my mothers neck
Strollinto town, beat a Soul Boy black and blue
Put a fruit gum in the meter cos there's fuck all else to do

[Chorus]

We go to football matches, we always have a laugh
Always get some bovver in, before the second half
We have our selve a smashing time, we really have some fun
Especially when the odds are ours 25 to 1, to 1

mp3:
http://macochey.free.fr/sons/The_last_resort_Violence.mp3

sexta-feira, julho 29, 2005

O perigo do Islão em Portugal



"Em Lisboa a comunidade islâmica não é composta por muitos árabes. Aliás, são uma minoria. A maior parte dos membros são africanos - guineenses, moçambicanos -, magrabinos, asiáticos"o que faz com a maioria deles, por virem dos PALOPS tenham BI portugues, falem a nossa lingua, e ligando o fanatismo islamico à selvajaria negroide, torna-os muito mais perigosos, do que os potenciais terroristas que em nome do islão têm aterrorizado o mundo.
Por cada 100 habitantes do planeta, 35 professam a religião islamica, os censores do politicamente correcto acenam que dessas centenas de milhões de islamitas, apenas uma minoria apoia o terrorismo e os ataques bombistas..Mas que minoria? Estamos a falar de 10%? 1%? 0,1%? Que estudos já se fizeram sobre isso?
Sabemos de um ultimo no Reino unido onde 35% dos Islamitas "compreendem" as motivações dos terroristas.Mas isso é muito vago. Os politicos já devem ter nas suas mãos dados alarmantes e não querem de maneira nenhuma que eles cheguem à população.

Mesmo com, boa vontade, e colocando a hipotese irrisória dos 0,1%, podemos estar descansados?
Eu acho que não, vejamos:
Em Portugal existem 100.000 Islamitas, se os potenciais terroristas forem 0,1% existem cerca de 100, mesmo que sejam 0,01% temos 10 terroristas, e todos nós sabemos que 5 ou 6 fazem uma celula e os estragos que conseguem fazer.

Devido à politica do entra agora e legaliza-te depois, Portugal e a Europa está cheia de pretos da savana e pretos do deserto, ambos representam uma ameaça ao nosso povo e à nossa civilização, a solução é só uma- repatriar..e em força!

quinta-feira, julho 28, 2005

Homosexuais, Gays, Doentes, do vulgo- Paneleiros


Procurava na net sites nacionalistas que falassem das doenças gays, e dos seus disturbios, qual é o meu espanto quando encontro este site brasileiro, de Paneleiros, a falar sobre isso mesmo, nada melhor do que os citar, para os leitores não pensarem que isto é mais uma homofobia-nazista-racista-extremista-ista

Os paneleiros falam dos paneleiros, cita-se assim:"

Os 10 maiores problemas de saúde Gay:

1-AIDS HIV
"..Os gays são ainda um grupo com comportamento de risco para se adquirir o HIV em relações sexuais.."

2-Uso de drogas e alcool
"..o consumo de drogas ilegais entre gays é bem maior do que na população em geral..os gays perecem apresentar um maior consumo de bebidas alcoolicas e maiores indices de alcolismo do que os heterosexuais.."

3-Depressão/Ansiedade
"..Os indices de depressão e ansiedade são maiores na população gay do que na população em geral..os gays apresentam ainda alguns problemas de depressão e ansiedade relacionados com a dificuldade de se manter relacionamentos estáveis.."

4-Hepatite"
..Homens que mantêm um relações sexuais com homens apresentam um risco bem maior de se infectar pelo virus de Hepatite..

5-Doenças sexualmente transmissiveis- DST´s
"..As DST´s são mais frequentes em homens gays.."

6-Câncer da próstata, testiculo e cólon(recto/anus)
"..Devido ás praticas sexuais..os gays podem estar mais sujeitos a contrair este tipo de câncer.."

7-Violência doméstica ou nas ruas
"..A violência é um dos maiores problemas para os gays..o problema da violência doméstica entre parceiros..com uma incidência maior entre homens.."

8-Tabagismo
"..Estudos americanos mostram que homens gays fumam até 50% mais do que heterosexuais.."

9-Actividades fisicas e dietas
O excesso de preocupação com a imagem corporal leva os gays a apresentarem grandes indices de desordens alimentares e até desnutrição...por outro lado há ainda um grande numero de gays sedentários e obesos.."

10-Papilona anal e genital e HPV
"..o virus do papilona humano, que causa lesões anais e genitais..o indice de cotnaminação é muito alto..pode aparecer em outros locais como a boca.."

http://www.farofadigital.com.br/coluna_bmolinari_saude.htm




Peço desculpa pelo nojo que este post pode suscitar a algumas pessoas, acreditem que não estão sozinhos, porque eu sinto o mesmo.

segunda-feira, julho 25, 2005

Portugal HammerSkins - Site



The Portuguese Hammerskin Chapter finished the official website. The hosting was gently granted by portuguese Frente Nacional (by their forum account www.forum-nacional.net) but we bought the domain http://portugal-hammerskins.net and are currently waiting for it to be enabled after the payment has cleared.

We have made available a small preview of the website on this URL: http://www.forum-nacional.net/~phs/ . This is temporary, probably till the end of the week, so please use this URL only to check the website, and for future reference use the official URL.

enjoy: http://www.Portugal-Hammerskins.net/

sábado, julho 23, 2005

Eça de Queirós - about the jews!!

Finally after some time, reserching on the web, i found the translation of parts of Eça de Queirós (greatest portuguese novelist)writings about the jews.
Thanks to Carlos Porter in :

PORTUGAL'S GREATEST NOVELIST PREDICTS HOAXOCO$T

"In England, as in Germany, the Jews abound, influencing opinion through the newspapers which they own (among others, the Daily Telegraph, one of the most important papers in the kingdom), dominating trade through their banking houses and at times even governing the State. Here, certainly, we are far from unleashing a national hatred, a social persecution of the Jews, but there are sufficient symptoms that the heavy involvement of the Jews, of an Israelite state within the Christian state, is beginning to exhaust English patience.

"In tolerant, wise Germany, after Hegel, Kant, and Schopenhauer, we are going to see a real persecution of the Jews, a good one, just like the old days, in which they threw the rabbi's books and the rabbi himself into the very same bonfire, exterminating doctrine and indoctrinator on the same pile of faggots.

"But what is the origin of this hatred of the Jew? The reason for the increasing anti-Semitic fury is simply the growing prosperity of the Jewish colony, a relatively small colony, made up of barely 400,000 Jews, but which, through its activity, its pertinacity, its discipline, is competing triumphantly against the German bourgeoisie.

"High finance and small business are also in Jewish hands. It is the Jew who loans the states and princes. It is he to whom the small proprietor mortgages his lands. In the liberal professions, the Jew absorbs everything. He is the lawyer with the most cases, the doctor with the most patients. If there are two shopkeepers on the same street, a German and a Jew, the son of Germany is bankrupt after a year, and the son of Israel has a carriage! This became even more pronounced after the war [the Franco-Prussian War of 1870-71]. The good German could not tolerate the spectacle of the Jew getting fat, enrichening himself, glittering brilliantly, while he, loaded down with military glory, must emigrate to America in search of bread.

"But if the wealth of the Jew irritates him, the ostentation with which the Jew uses his wealth drives him insane with fury. On this point, I must say that the Germans are right. The ancient legend of the Jew, shrunken, emaciated, crook-backed, slinking along the wall as closely as possible, casting stealthy distrustful glances from between half-closed eyelids, belongs to the past. The Jew today is fat. He carries his head high, has an ostentatious paunch, and fills the street. It is necessary to see them in London, in Berlin or in Vienna. In the smallest of things: entering a café or occupying a seat in the theatre, they have an arrogant, ostentatiously wealthy air which scandalizes. The spectacular pomp of parvenu Solomons offends contemporary taste, which is sober. They always talk in loud voices, as if they were in a conquered country. In a restaurant in London or Berlin, there is nothing more intolerable than the Semitic cawing. They cover themselves with jewels, the harnesses of their carriages are pure gold, they love gross luxury. All this is irritating.

"But worse yet, in Germany, is the skilful plan with which they fortify their prosperity and guarantee their luxury, so skilfully that it smells of conspiracy. In Germany, the Jew, slowly and surreptitiously, has taken over two great social forces, the Stock Exchange and the press. Almost all the great banking houses are possessed by the Semite. This is how he makes himself invulnerable to attack. So, that not only does he expel the Germans from the liberal professions, humiliating him with his glittering opulence and dragging him about, dependent upon his capital; but, the supreme injury, through the voice of his newspapers, the Jew orders the German about, telling him what he must do, how he must be governed, and whom he must go to war against!

"All this would be tolerable if the Jew merged with the indigenous race. But no. The Jewish world conserves itself in isolation, compact, inaccessible and impenetrable. The formidable walls of Solomon's Temple, which were torn down, continue to form a barrier of obstacles around him. In Berlin, there is a real Jerusalem, which is invulnerable. There they take refuge with their God, their books, their clothing, their Sabbath, their language, their pride, their coldness, enjoying the gold and despising the Christians. They invade German society. There they wish to glitter and to dominate, but they do not allow the German to gain even a toehold in Jewish society. Among themselves, they help each other like kings, giving each other millions, but they begrudge the starving German even a crust of bread. They pride themselves, like insolent coquettes, in setting themselves apart from the rest of the nation in everything, from their way of thinking to their manner of dress. Naturally, such an accentuated exclusiveness is interpreted as hostility and repaid with hatred.

"But all of this is the fight for existence. The Jew is the strongest, the Jew triumphs. The duty of the German should be to use his muscles, to sharpen his intellect, to make an effort, to push himself forward and be the strongest in turn. But he doesn’t. Instead, miserably, like a coward, he turns to the government, presenting petitions on great rolls of paper, so that the Jew may be deprived of his civil rights, because the Jew is rich and the Jew is strong."

From Eça de Queiroz, in Cartas de Inglaterra, a collection of essays published in 1877-1882. Eça de Queiroz (pronounced Essa de Kay-ROSH) is generally considered the greatest novelist in the Portuguese language, and served as Portuguese consul to Newcastle, England, until his death in 1910. The book Cartas de Inglaterra apparently became unavailable for a period after the 1974 Revolution even though the "fascist" dictatorship permitted the sale of Communist books until the very end. His books have been translated into English and German under various titles, such as THE MAIAS, THE SIN OF FATHER AMARO, THE CITY AND THE MOUNTAINS, THE ILLUSTRIOUS HOUSE OF RAMIRES, COUSIN BASILIO, etc. He was also the author of a well-known short story, THE DECEASED, and a very inferior fantasy, THE MANDARIN. Queiroz also predicted "desperate revolt" in Ireland with about 40 pages of detail, and a "Holocaust of Jews" [!] in an 1887 short story called THE RELIC.

Translation and notes by Carlos W. Porter



See also:

Some more...

"...Cohen was a Jew and a banker. The Marquis didn't like Jews in general, but nothing was quite so offensive to taste and to reason as the banker species. He could understand the footpad lurking in the pine forest; he could accept the communist risking his skin behind the barricades -- but the monied men, the So-and-Sos & Co., these made him ill... a beardless youth with a sly, hard eye, who already had the look of a lender at thirty per cent..."

From "The Maias", translated by Patrica McGowen Pinheiro and Ann Stevens, Penguin Books, pp. 114,-115, 117.

Visit: http://www.cwporter.com/

quinta-feira, julho 21, 2005

Eça de Queirós -Israelismo "cartas de Inglaterra"



Israelismo
de "Cartas de Inglaterra"
Eça de Queirós
[ensaios escritos entre 1877 e 1882]

("search this portuguese author, Eça de Queiros, and his work "cartas de inglaterra" (Letters from England - read the chapter "israelismo", about the jews) in your language,it's considered in Portugal one of the best portuguese writers of all times")

«Na Alemanha, os judeus abundam, influindo na opinião pelos jornais que possuem (entre outros o Daily Telegraph, um dos mais importantes do reino), dominando o comércio pelas suas casas bancárias e, em certos momentos mesmo, governando o Estado pelo grande homem da sua raça, o seu profeta maior, o próprio Lord Beaconsfield. Aqui, decerto, estamos longe de ver desencadear um ódio nacional, uma perseguição social contra os judeus; mas há suficientes sintomas de que o desenvolvimento firme deste estado israelita dentro do estado cristão começa a impacientar o Inglês. Não vejo, por exemplo, que o que se está passando na Alemanha, apesar de exalar um odioso cheiro de auto-de-fé, provoque uma grande indignação da imprensa liberal de Londres: e já mesmo um jornal da autoridade do Spectator se vê forçado a atenuar, perante os graves protestos da colónia israelita, artigos em que descrevera os judeus como uma corporação isolada e egoísta, à semelhança das comunidades católicas, trabalhando só no mesmo interesse, encerrando-se na força da sua tradição e conservando simpatias e tendências manifestamente hostis às do Estado que os tolera. Tudo isto é já desagradável.»

«Porque enfim, sob formas civilizadas e constitucionais (petições, meetings, artigos de revista, panfletos, interpelações), é realmente a uma perseguição de judeus que vamos assistir, das boas, das antigas, das manuelinas, quando se deitavam à mesma fogueira os livros do rabino e o próprio rabino, exterminando assim economicamente, com o mesmo feixe de lenha, a doutrina e o doutor.»

«O motivo do furor anti-semítico é simplesmente a crescente prosperidade da colónia judaica, colónia relativamente pequena, apenas composta de quatrocentos mil judeus; mas que pela sua actividade, a sua pertinácia, a sua disciplina, está fazendo uma concorrência triunfante à burguesia alemã.»

«A alta finança e o pequeno comércio estão-lhe igualmente nas mãos: é o judeu que empresta aos estados e aos príncipes, é a ele que o pequeno proprietário hipoteca as terras. Nas profissões liberais absorve tudo: é ele o advogado com mais causas e o médico com mais clientela: se na mesma rua há dois tendeiros, um alemão e outro judeu, o filho da Germânia ao fim do ano está falido, o filho de Israel tem carruagem! »



«Mas se a riqueza do judeu o irrita, a ostentação que o judeu faz da sua riqueza enlouquece-o de furor. E, neste ponto, devo dizer que o Alemão tem razão. A antiga legenda do israelita, magro, esguio, adunco, caminhando cosido com a parede, e coando por entre as pálpebras um olhar turvo e desconfiado – pertence ao passado. O judeu hoje é um gordo. Traz a cabeça alta, tem a pança ostentosa e enche a rua. E necessário vê-los em Londres, em Berlim, ou em Viena: nas menores coisas, entrando em um café ou ocupando uma cadeira de teatro, têm um ar arrogante e ricaço, que escandaliza.»

«Mas o pior ainda na Alemanha é o hábil plano com que fortificam a sua prosperidade e garantem o luxo, tão hábil que tem um sabor de conspiração: na Alemanha, o judeu, lentamente, surdamente, tem-se apoderado das duas grandes forças sociais – a Bolsa e imprensa. Quase todas as grandes casas bancárias da Alemanha, quase todos os grandes jornais, estão na posse do semita. Assim, torna-se inatacável. De modo que não só expulsa o alemão das profissões liberais, o humilha com a sua opulência rutilante e o traz dependente pelo capital; mas, injúria suprema, pela voz dos seus jornais, ordena-lhe o que há-de fazer, o que há-de pensar, como se há-de governar e com que se há-de bater!»

Ver texto completo em: http://www.forum-nacional.net/viewtopic.php?t=1211

sábado, julho 16, 2005

Hammer Skin Nation - HSN


A HAMMER SKIN NATION está a remodular os seus sites na internet, quem estiver interessado na História da organização, os eventos que promove, e os paises onde se encontra, clique em: http://www.hammerskins.net

sexta-feira, julho 15, 2005

Afinal sou Judeu!? Piada Kosher



Eu descobri esta semana que afinal sou Judeu...
Afinal o nome Machado, não vem da conquista de Santarem aos Mouros, em que pai e filho(Cristãos) empunharam essa arma e arrebentaram com as portas do Castelo, tendo ganho nesse dia o apelido de Machado.
Segundo a http://ruadajudiaria.com/ em "Os media e o “crime”" http://ruadajudiaria.com/index.php?p=318 passo a citar:"...E foi assim que, há pouco mais de 500 anos, a família ancestral do senhor Mário Machado foi forçada a esconder o seu judaísmo sob um catolicismo de fachada que lhe mereceria a alcunha de “marranos”. Inconsciente da sua própria história familiar, Mário Machado é hoje um neo-nazi encartado, um racista e antisemita que cospe na sepultura dos seus próprios antepassados. .."



Então mas ser Judeu é ter uma religião ou uma raça? É que se é apenas religião como eles apregoam para confundir os "anti semitas", o que é que interessa se o meu pai é dos Manás ou da Yurde ou Judeu?
Parece que afinal os Judeus são uma raça e sendo assim o "nosso" Presidente Judeu Sampaio quando diz no "jerusalem post":"...I am naturally very proud of this ancestry and of all those that I call my “favorite Jewish cousins,” one of whom is the president of the Lisbon Jewish Community" ou ainda "..I am proud, as I said, of my ancestors.
"
Afinal não é crime ter orgulho racial, porque se ele tem orgulho nos seus antepassados por serem Judeus...Não é?

Diz esse site judeu em Portugal que à 500 anos a minha familia teve de esconder as suas origens, uma vez mais a mentira judaica, é desmascarada segundo a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira http://paginas.terra.com.br/lazer/familiapaiva/machados.htm , "..Viveu no tempo do rei D. Afonso Henriques, sendo cavaleiro valoroso, governou a ala esquerda na batalha do campo de Ourique e pretendem alguns genealogistas que ele e seus filhos, Pedro Mendes e Nuno Mendes de Gandarei, na tomada de Santarém aos Mouros, efetuada em 15.03.1147, foram os primeiros a entrar no castelo, cujas portas arrombaram com machados. Foi rico-homem de D. Afonso Henriques e seu guarda-mor. Fez povoar por seu filho D. Roberto Mendes de Gandarei o lugar de Alões, ao qual, com sua mulher, deu foral, assim como também o deram ao lugar de Aveloso, que povoaram na freguesia de Tendais, ao lugar de Vilas Boas no ano de 1122 e à vila de Graleira no ano de 1144..por alcunha o Machado, alusão ao feito do avô e do pai...de cujo matrimônio houve filhos com o apelido de Machado, um dos quais, Martim Martins Machado, foi o continuador da linhagem. Manuel de Sousa da Silva, autorizado linhagista, escreveu estes versos: "Em Lanhoso está fundado /O solar nobre em Geraz/donde a origem traz/A família dos Machados / Assim no presente o faz". O ilustre poeta Francisco de Sá de Miranda dedicou aos Machados esta quintilha: "Se nove torres tiveram/ que guardavam três machados/com dois mais bem vos pagaram, /pois torres noves entrarão / Martins com os quatro criados".




Pois é os senhores das trancinhas e das cabeçadas na parede perderam mais uma batalha historica, será que quando fizermos a manif contra os paneleiros pedófilos, vão dizer que sou gay?

Todos me amam, todos me querem, mas eu sou discipulo do Adolf Hitler, tenham lá paciência.

Para a comunidade Judaica em Portugal, vou endereçar um mail a pedir a minha parte dos 60 anos de indeminizações que receberam do estado Alemão por um holocausto que nunca existiu, porque FODA-SE EU NÃO POSSO SER O UNICO JUDEU POBRE!!!

sexta-feira, julho 08, 2005

VERDADE SUPREMA - A VOZ do SISTEMA!

Directamente do www.forum-nacional.net, do user Walter:

EU JÁ ABRI OS OLHOS, ACORDA TAMBÉM TU!
EIS ALGUMAS VERDADES ABSOLUTAS DO SISTEMA:

(e quanto mais rápido as reconheceres, melhor para ti!)

1º) só os «testemunhos» e cartas de leitores que digam que não houve arrastão em Carcavelos são fidedignos, os que vão em sentido contrário são mentira, de pessoas mal intencionadas e racistas malvados.

2º) Diana Adringa não é «uma jornalista prestigiada», na verdade ela é A rainha dos jornalistas, principalmente do sindicato dos jornalistas, abertamente comunista e, só por acaso, filiado na CGTP.

3º) Os jornais dizem sempre a verdade e não existe um número elevado de jornalistas apoiantes de partidos de extrema esquerda e comunistas. Estes Grandes profissionais abordam e tratam da mesma forma uma manifestação de Nacionalistas ou uma manifestação de homossexuais, utilizando os mesmos adjectivos e cumprindo à regra o Código Deontológico do Jornalista.

4º) Assassinos são todos os Nacionalistas que se manifestam pacificamente contra a criminalidade e invasão de imigrantes, vítimas, heróis e exemplos são os Otelos que organizaram um grupo de pacifistas que davam tiros na nuca em empresários, juízes, PJ, GNR. Igualmente heróis e lutadores pela liberdade e igualdade são os partidos, como o PSR ou PS, que defendeu a liberdade dessas vítimas chamadas FP`25 Abril que, em democracia, executaram a sangue frio Portugueses que não aceitaram pagar o «imposto revolucionário».

Já agora, e mudando de assunto:

5º) A Nova lei da nacionalidade vem resolver o problema da violência e criminalidade perpetrada por imigrantes... uma vez que o deixam de ser!

6º) Quem não adopta bebés e crianças negras é um racista malandro e egoísta.

7º) No passado Domingo, o Correio da Manhã (CM) trouxe um pequeno caderno com algumas interrogações sobre os imigrantes em Portugal e respectivas VERDADES SUPREMAS. A uma das perguntas: «Os imigrantes trazem doenças?» a resposta (como todas de resto!) é «Não»! É dito que, na verdade, os imigrantes até «têm menos doenças que os Portugueses!» Pois...É que a SIDA, o Ébola e outras doenças e vírus que dizimam África (e Portugal não é o país europeu que mais imigrantes africanos recebe) simplesmente desaparecem quando o avião atinge 1088 metros de altitude. Assim, quando aterram, os cidadãos estão saudáveis! Há um estudo científico e imparcial do imaculado Professor Mamadu Rosas que sustenta este FACTO!
(quem tiver oportunidade, aconselho a ler e guardar religiosamente o livrinho que saiu no CM, pois é o equivalente ao livrinho vermelho de Mao Tsé-Tung: vêm lá todas as VERDADES SUPREMAS que devemos decorar e saber recitar, neste caso sobre os imigrantes e imigração!)

E o prémio VS-Coerência VAI PARA:

7º) (foi difícil...) Mário Soares
Primeiro, pelo que já fez ao longo de tantos anos, todos nos lembramos dele, em particular as famílias dos Portugueses degolados e violados nas ex-colónias. Também as 15 viúvas e restantes familiares dos 17 Portugueses assassinados pelas FP`25 Abril certamente se recordam com carinho do Mário Soares, por impor a amnistia de Otelo Saraiva de Carvalho enquanto presidente da República Portuguesa.
Hoje, dia 7 de Julho, após os atentados em Londres, o ex-presidente já veio explicar-nos que, no fundo, a pobreza é a causa da frustação, revolta e violência desses pobres Osamas! Ou seja, no fundo, Soares simboliza o argumento irrefutável dos jovens negros que têm de roubar telemóveis e toalhas de praia para poder... comer.
O que motiva a entrega do prémio VS-coerência ao Márinho é que consegue manter a postura e uma coerência notável, pois procura encontrar justificação para todo e qualquer acto de violência ou mesmo de terrorismo, mas consegue ser um visionário (ele está lá!) e perceber - tal como outros «democratas selectivos», que não existe qualquer justificação para qualquer acto, manifestação, opinião ou partido de cariz Nacionalista ou Nacional Socialista.


* Obrigado ao Barnabé. O post sobre Diana Adringa ajudou-me a abrir os olhos para as verdades do sistema. Arrastão? Negros? Nem uma coisa nem outra, somente jovens portugueses que, mais bronzeados, faziam desporto na praia.

ÚLTIMA HORA: Diana Adringa já terá em seu poder um vídeo sobre o «Atentado em Londres que nunca existiu»!

quarta-feira, julho 06, 2005

Ódio - Racial Hatecore Band

Foi a 1 de Janeiro de 2003 que se formou a banda Ódio, realizando-se assim um desejo, que já vinha de à muito tempo, e de certo modo era uma necessidade para o nosso movimento, visto não existir até então nenhuma banda NS activa em Portugal.

A banda é composta por skinheads, Nacional-Socialistas, da zona de Lisboa, Portugal, sendo composta por Vocalista, Baixista, dois Guitarristas e Baterista.

Ódio está a fazer historia no movimento nacionalista portugues, sendo desde já a banda nacionalista que mais concertos deu em Portugal e no estrangeiro.

Ódio já participou em 2 colectaneas, e está a gravar para mais 2 compilações. O cd da banda, devido a problemas judiciais, tem sido sucessivamente atrasado, mas conta-mos que muito próximamente esteja disponivel.

http://www.odio.site.vu/