segunda-feira, setembro 12, 2005

Manifestação contra o lobby Gay/Pedófilo




Tal como o Governo Espanhol cedeu ao «lobby gay» permitindo que duas pessoas do mesmo sexo possam casar, sejam elas gays, lésbicas, travestis, transsexuais, ou outra anormalidade qualquer do (ou sem) género, e depois da reacção de 1 milhão de espanhóis que gritaram nas ruas de Madrid «não ao casamento e adopção de crianças por parelhas homossexuais», achamos que chegou a nossa vez e que o Governo prepara terreno para, também em Portugal, ceder às pressões desse obscuro, mas poderoso, lobby. O facto do Serdezelo da Opus Gay integrar as listas do PS devido ao facto de ser gay é um bom (mau!) prenúncio disso mesmo.

Aliás, as ameaças feitas pelo «lobby gay», de revelar publicamente a lista de deputados homossexuais que não cedessem às suas exigências, são uma prova do tipo de poder exercido por estas sinistras organizações. E as suas motivações são claras, basta prestar atenção às declarações do Serdezelo, ao Correio da Manhã de 17/03/2005, quando disse que «a pornografia funciona como uma ajuda na estruturação da identidade sexual dos jovens de 14-15 anos». Pornografia... ou promoção da pedofilia?! Estruturação da identidade... ou formação de homossexuais?! Vale a pena lembrar o que disse um cientista perito em estudos sobre a homossexualidade, a propósito de tais criaturas: «sinto que por vezes são expostos desde muito cedo a pornografia…». Realmente, o interesse das organizações que defendem a homossexualidade anda muito longe do simples lazer, andando mais próximo da formação, não de mentalidades, mas... de novos recrutas!



Mas não se iluda, porque apesar dessas propostas aberrantes terem vindo da extrema-esquerda -- o que até demonstra coragem, ao assumirem o nojo que são... -- os tentáculos do «lobby gay» não escolhem «esquerda» ou «direita», sendo transversais a todos os espectros políticos do sistema. Aliás o silêncio que os partidos da assembleia votaram, em acordo mútuo, sobre o «Caso Casa Pia», e a total ausência de posições destes contra o casamento ou adopção de crianças por homossexuais, é bem elucidativa da podridão que grassa na sociedade, com os políticos no topo da pirâmide.

A legalização do casamento é uma maneira camuflada de permitir a adopção de crianças por parte de homossexuais, porque permitindo o casamento nenhum governo terá argumentos legais, éticos, ou simples coragem política, para distinguir entre casais normais e de homossexuais, qualquer que seja a sua variante: gays, lésbicas, travestis, transsexuais, ou outra coisa qualquer do género...

ver mais em: Frente Nacional