segunda-feira, janeiro 02, 2006

Grupo Bilderberg - Livro


Comentários sobre o livro:

"...um grupo restrito dos homens mais ricos, mais poderosos económica e politicamente e mais influentes do mundo ocidental, que se reúnem secretamente para planear acontecimentos que, mais tarde, parecem acontecer por acaso."- The Times 1997

"É dificl reeducar as pessoas que cresceram no nacionalismo para a ideia de renunciarem a parte da sua soberania em favor de um órgão supranacional."-Principe Bernhard, fundador de Bidelberg."

"Um livro que revela os segredos dos mais poderosos do mundo...Segundo o autor, o clube Bidelberg prepara um Estado Policial Global que ultrapassa o pior pesadelo de Orwell, com um governo invisivel, omnipotente, que actua a partir dos bastidores para controlar o governo dos Estados Unidos, a União Europeia, o Banco mundial, o Fundo Monetário Internacional e várias outras entidades." -Univision

Directamente do livro:

«Os residentes da Comunidade Europeia podem não fazer a mínima ideia das intenções dos sionistas relativamente aos palestinos, mas em Israel a limpeza étnica é um assunto de discussão popular. Cinquenta por cento ou mais dos israelitas pensa que a limpeza étnica é uma boa ideia. Numa nação que supostamente recorda o Holocausto.
Leeden e outros neoconservadores americanos há muito que defendem que qualquer crítica a Israel ou ao sionismo, ainda que seja a crítica mais banal, é equivalente ao anti-semitismo.
Segundo a definição israelita, as críticas a Israel, aos sionistas ou a qualquer judeu em qualquer lugar do mundo podem ser consideradas um delito se um judeu em qualquer lugar do mundo afirmar que tais afirmações lhe causaram, por exemplo, um transtorno emocional ou problemas mentais. Toda esta matéria está prevista na Sec.13(b)(2) do Código Penal israelita, aprovado em 1994, que reclama a jurisdição extraterritorial dos tribunais israelitas no caso de delitos perpetrados contra judeus em qualquer lugar do mundo.
Até ao momento, há algo que fez parar este instrumento que poderia ser muito eficaz para silenciar os críticos da política israelita e do sionismo no mundo inteiro: a carência de «dualidade penal». Para que os tribunais israelitas possam solicitar a extradição de críticos de outros países, devem primeiro tipificar-se como delito estas acções nos demais países. Da mesma maneira, se a crítica dos crimes de guerra israelitas nos territórios ocupados ou de Ariel Sharon supostamente leva à comissão de um delito contra um judeu, ou mesmo entristece um judeu, poder-se-ia abrir a porta à extradição. Assim, por ter escrito este artigo, num futuro próximo posso encontrar-me encarcerado numa prisão israelita.»


Alguns dos membros portugueses do Clube Bilderberg, José Socrates, Santana Lopes, Morais Sarmento, Pinto Balsemão e Durão Barroso

Veja mais em:
http://www.semanario.pt/noticia.php?ID=2573

http://www.ufogenesis.com.br/noticias/noticias.asp?noticias=1017